30 de dezembro de 2009

Para os Anos Novos

Que sempre surja uma estrela
e nos indique
O CAMINHO



Felizes e ilumindados Anos Novos!
beijos e abraços
muitos

22 de dezembro de 2009

Então é Natal...

Cartões do ATC de Natal de Brasília


Nossa, tanta coisa acontece ao mesmo tempo agora e, DE REPENTE...

"Então é Natal
E o que você fez?
O ano termina
E nasce outra vez"

Hora de revisar, resumir, agradecer e celebrar o que foi bom, mudar o que não deu certo.
Mas sem crise. Passo a passo como num diagrama. Experimentando, sentindo as possibilidades do papel (de cada um).
Afinal de contas, a gente tem muito mais a aprender com o origami, do que simplesmente transformar um quadrado de papel em flor, ou pássaro, ou seja lá o que a curiosidade, a paixão ou a compulsão mandar.
Então, desejo aos origamigos e origamigas, clientes, alunos, fãs, cúmplices, incentivadores, e quem mais
passar pelo meu jardim, que daqui em diante, o origami seja o autor, e nós sejamos o papel a ser transformado.
Que o origami nos transforme num kusudama de luz, alegria, equilíbrio, beleza, atitude, bondade, companheirismo, amor.
E que a delicadeza do origami inspire nossas ações! Sempre!

Beijos e abraços muitos
Feliz Natal e Feliz OrigAno Novo!

14 de dezembro de 2009

Mais um capítulo

Presente da Rita

Desta vez consegui fazer com que ele virasse quase um solitário. Mas está bom assim. Não quero mais flor sozinha!

28 de novembro de 2009

Valorizando a altura


Eu queria porque queria um vaso para uma única flor, o que se chama por aí de solitário.
Pesquisa, pesquisa e nada.
Fico aqui imaginando que com um gargalo bem pequeno, só via tessellation.
Mas quando eu vi este vaso, com essa verticalidade toda, com essa geometria toda, apaixonei. E ele também usa o princípio do tessellation, que eu adoro.
Não sei até agora como cheguei nele e como o diagrama dele chegou no meu celular. Fato é que eles vão enfeitar a festa do casamento da Carla.
A única diferença é que o vaso dela é em papel craft, mas mais uma vez faço um trabalho com um tema que gosto muito: as flores são de reaproveitamento de papel.
Carla, adorei os motivos que você me deu pra desenvolver este projeto e espero que você seja muito feliz!
E que a delicadeza do origami faça parte da sua felicidade.

21 de novembro de 2009

Para uma doce lembrança

É só colocar um chocolatinho dentro, ou trufas, ou balinhas, e distribuir.
Para deixar a marca de uma doce lembrança na memória de alguém.

5 de novembro de 2009

Caminhada pela Paz



Eu sei que está em cima da hora pro aviso , mas amanhã estarei participando do evento "Caminhada pela Paz" promovido pelo SESC Itaquera, ensinando as pessoas a dobrar o tsuru.
Adorei o convite!
Poder participar de uma iniciativa destas, justamente em meio à comemoração dos "dias do origami", é um presente.
Muitas outras acontecências na programação.
Mais informações, no site do SESC

Pela paz e não violência!

Que a delicadeza do origami inspire suas ações!

Beijos

2 de novembro de 2009

Os laços do origami

Quando gestava a idéia para os cartões do ATC de Natal do pessoal de Brasília, fiquei pensando nas amizades que o origami me trouxe, nos laços que se formavam a partir dele, além de tantas outras coisas.
Então me lembrei deste lacinho, que dentre todos os que já vi, é pra mim o mais bonito. E ele foi então o ponto de partida para a elaboração do meu cartão presente.
Assim que acontecer a distribuição lá entre o pessoal, posto as fotos dele prontinho.
Só fico em débito por não informar de quem é a criação, mas um dia pego uma dessas amizades de zóinho puxado que o origami me trouxe, pra traduzir esse meu livro que tem o diagrama.

beijinhos enlaçados


Finalmente mistério desvendado, graças à informação da minha amiga Agnes do blog Papel Essencial:

Olá origamigos!
Pelo que me foi informado a autora do laço é Lee Hye-kyung, ela é coreana e seu livro foi publicado no Japão com o nome de Origami Divertido (Origami o Tanoshimu).

22 de outubro de 2009

Mistura

Eu não sou promíscua. Mas sou caleidoscópica: fascinam-me as minhas mutações faiscantes que aqui caleidoscopicamente registro.

Clarice Lispector

Floral Globe - Tomoko Fuse
Feito com reaproveitamento de papel de apostila em grafia Braille, e papel metalizado.

8 de outubro de 2009

Brincos de Princesa...

...do fundo do mar
E dando um mergulho
me aprofundo em histórias
registro as horas
desenho cenários
e algumas paixões
escancaro

13 de setembro de 2009

Inhô Tim


Lá nas Minas Gerais, o ENO - Encontro Nacional de Origami - foi mesmo efervescente! Tem um monte de gente que já comentou nesse universo blogueiro.
Mas eu vou contar sobre um outro evento origâmico.
Eu já tinha tido uma idéia meio que parecida, e vi num post, no site do Philip Chapman-Bel que eu conheço por Oschene e de quem sou fã, um convite a participar de um projeto chamado Origami para o povo, para as pessoas, ou "Origami for the people" (no flickr o grupo tem esse nome).
A idéia é deixar uma peça de origami "esquecida" em algum lugar, é fazer com que mais e mais pessoas tenham contato com a arte, é fazer "intervenções" na paisagem com peças de origami, é dar um presente "delicadeza" a alguém, entre tantas coisas que podemos associar com o ato de espalhar origami por aí.
E foi o que fizemos. Um grupo de participantes do Encontro Nacional e que conseguiu dar uma esticadinha no tempo

Da esquerda para a direita: Daniel (AM), Eli (AM), Wilson (AM), Araguacy (AM), Isa (MG), Cáu (AM), Miyoko (SP), eu (SP) e Sonia (SP).

O local?????????? Instituto Inhotim.
Gentem, é um Centro de Arte Contemporânea, localizado em Brumadinho, ali pertim de Belzonte, simplesmente TUUUUUUUUUUUDIBÃO!
Vocês precisam visitar, nem que seja por aqui!
Depois do almoço resolvemos fazer a "sesta" fazendo o que???




A nossa peça Floral Globe de lequinhos, 60 módulos a 18 mãos, com um papel maravilhoso preto e branco que o pessoal de Manaus nos apresentou. E ela virou uma flor de bromélia num dos recantos daquele parque de sonhos que estávamos vi vendo, respirando, comendo...




Na verdade, é bem difícil pra mim, contar o que foi aquele dia.
Pra vocês terem uma idéia, vejam mais fotos no meu álbum no flickr.
Espero que os meus olhos tenham conseguido falar pela minha bôca e pelo meu coração.

3 de setembro de 2009

Mineirês

Arrumando as malas e indo pra BH.


Origamigos minerim???? Tamo chegan!!!!

Mai qui belêzz!" Némêzz?"

Issé bão dimái da conta!"

Proncovô????

Pro incon nacioná diorigam!!!

Viro? Já estointé fazen un curss di Noções de Mineirês para "estrangeiros". Tudi bão!

Boa viáá gente!

26 de agosto de 2009

Brinco

Pra Cíntia, Elaine, Milena e Juju, companheiras da "missa" de domingo.
Menos um pouco e os uso como brinco.
Mas foram presentes para umas amigas enfeitarem seus carros.
Pára-brisa usa brinco?

16 de agosto de 2009

Bodas de Papel

Estas tulipinhas foram encomendadas pela Alessandra, lá do Rio, pra enfeitar as mesas do almoço em comemoração às suas Bodas, e para serem disputadas pelas suas amigas.










As caixinhas, em forma de coração, bem que poderiam, mas não têm a menor relação com a história da Alessandra. Foram feitas como "lição de casa" já que terei que faltar no encontro do OriSampa, onde será ensinada.
Mas por conta deste post também caí no filme, e por causa dele e de serendipity ou serendipiti, resolvi postar tudo junto.
E Tudo por Acaso é a música.
Será?

Beijos serendípiticos

13 de agosto de 2009

Quem vai levar o bolo...


Fê, o bolo é seu querida!
Mande e-mail para vaniapassos@gmail.com informando seu endereço para entrega ok?
Só que vai demorar um tiquinho porque quero fazer uma moldurinha pra ele e por conta de uma pequena cirurgia que fiz devo voltar às dobras devagarinho tá?
Beijos

9 de agosto de 2009

Festa!




Hoje, 10 de agosto, é dia de festa no meu jardim.
Há um ano desabrochou a primeira florzinha, então eu resolvi fazer pra comemorar, este Bolo de Florzinhas.
A receita claro que é do Froelbel (aliás ele chegou pra festa há uns dias já) com parceria da Tomoko que publicou no seu livro de quilts.
Eu não vou cortá-lo em pedaços (voltando ao bolo) pra dividir entre vocês, acho que nem vocês gostariam disso, então resolvi sorteá-lo entre as pessoas que passarem por aqui hoje e deixarem um recadinho.
Tenho que comemorar porque este jardim tem me dado mesmo tudo aquilo que pedi quando nele comecei a plantar, que está traduzido no primeiro post: encontros, música, poesia, cores e mais um tanto.
E a vocês que têm passado por aqui e que têm compartilhado comigo, seja da forma que for, a paixão pelo origami


Um beijo com abraço de mais de um minuto. . .




. . .Quem quer um pedaço
Um pouco de alguém
Abraçando tem
E ainda mais
Se o abraço for além de um minuto
Aí é fatal
Envolveu
Você tem
Um alguém Total

5 de agosto de 2009

Paixão de inverno

Minha paixão por ele já é antiga, notória, pública e compartilhada com a Eva. Mas a gente (mulheres modernas, quem entendem bem como é essa coisa de paixão) lida bem com isso. Aliás, o Froebel, é um elo de ligação entre nós duas.
Mas outro dia, conheci o Rubem (lá na casa da Marjorie, em Ilhabela) e a Angelita me chamou a atenção pra uma idéia do cara sobre jardins. Ele é inspirador! E manda muito bem com as palavras!


"Sei que é no sonho que os jardins existem, antes de existirem do lado de fora. Um jardim é um sonho que virou realidade, ...."

" A natureza revela então a sua exuberância num desperdício que transborda em variações que não esgotam nunca, em perfumes que penetram o corpo por canais invisíveis, em ruídos de fontes ou folhas... O jardim é um agrado no corpo. Nele a natureza se revela amante. E como é bom!"


Ai gentem, tô tão dividida!

1 de agosto de 2009

Quero que você me aqueça neste inverno...



Embolorei!
Como chove nessa São Paulo, que últimamente nem é tão da garoa assim, mas
das chuvas consistentes, de pêso!
E o frio então?
Só me dá vontade de ficar no plantão da Gol, ou da Tam, ou de qualquer asa que me leve pra algum lugar do Norte ou Nordeste, pra poder calçar minhas havaianas, botar vestido de flor e alcinhas.
Bate uma saudade do que foi e do que não.
Enquanto isso não acontece, dobro cores quentes. Laranjas, amarelos, pinks.
E rezo pra Nossa Senhora das Promoções Aéreas.

30 de julho de 2009

Sexta pasta, sexta foto

Quando a Bi me chamou pra brincadeira, confesso que fiquei preocupada. Afinal, por indicação dela, ganhei uma bolsa para um curso de fotografia.
Já pensou cai numa foto daquelas em que o foco não tem nada a ver? Literalmente?
Ou numa daquelas tipo "caçando assunto", onde estou fotografando meu reflexo na porta de vidro da casa da Marjorie em Ilha Bela, e tentando encaixar as folhas de uma palmeira da paisagem detrás da janela na minha imagem, pra fazer de cabelo?
Ainda bem que caiu nesta!



Fotograficamente acho ruim, mas não adianta gente, neste quesito meu Nokia perde longe pra Sony.
Mas é o registro de um momento gostoso e que por incrível que pareça, tem relação com origami.
Por conta deste show do Almir Sater (adoro esse jeito pantaneiro das músicas dele e, mulheres, ele continua um gato!) é que estas caixinhas existem. Elas foram feitas de uns folders que catei por lá.
E tem também o Toni na foto (que é o moço da calça vermelha, tocando aquele baixão) , que é o namorado da Juju (o Toni, não o baixão hehe), que é a responsável por este post.
Viram? Música e origami combinam pra caramba!
Agora, pra continuar a brincadeira de postar a sexta foto da sexta pasta, vou convidar a Eva, o Cesar, o Tico (pra você acho que pode ser a sexta foto da primeira pasta, já que seu HD já era), e a Sabrina.


O último que chegar é mulher do padre!


Beijos




23 de julho de 2009

Enquanto isso, no Senac...

Gentem, as sementinhas que eu plantei por lá nos dias 4 e 5 de junho, na Semana do Meio Ambiente, brotaram!



Ah! As fotinhos do que foi aquela oficina trabalhando com reciclagem, estão no meu álbum do flickr.

Posição de Lótus

Dança de Shiva. . .



Mantra. . .


Namastê!

16 de julho de 2009

Hipismo origâmico

O hipismo é um esporte muito antigo, praticado por um homem e seu cavalo.....

....O Hipismo esportivo consiste em várias provas....

.....Adestramento
Nesta prova, o cavaleiro (no meu caso, a amazona - nossa amei ser uma!)deve executar uma série de movimentos (dobras) num (in)determinado período de tempo....

... ... Saltos
Nos saltos, o cavaleiro deve transpor, com seu cavalo, de 12 a 15 obstáculos....

Tá lá na Wikipédia mas serviu direitinho pra minha foto.

Do troféu "Cabeça de Cavalo" eu desconheço a autoria.
Alguém que tenha assistido essa prova saberia me dizer?

8 de julho de 2009

Floral Globe


A cor é algo que orienta meus sentidos...
ou os expressa...
ou não
Eu gosto de Caetano,
das cores do outono,
de Trem das Cores.

E não é que a música começou a tocar?!!!!
Gentem, tem música mais colorida?




A franja na encosta
Cor de laranja
Capim rosa chá
O mel desses olhos luz
Mel de cor ímpar
O ouro ainda não bem verde da serra
A prata do trem
A lua e a estrela
Anel de turquesa
Os átomos todos dançam
Madruga
Reluz neblina
Crianças cor de romã
Entram no vagão
O oliva da nuvem chumbo
Ficando
Pra trás da manhã
E a seda azul do papel
Que envolve a maçã
As casas tão verde e rosa
Que vão passando ao nos ver passar
Os dois lados da janela
E aquela num tom de azul
Quase inexistente, azul que não há
Azul que é pura memória de algum lugar
Teu cabelo preto
Explícito objeto
Castanhos lábios
Ou pra ser exato
Lábios cor de açaí
E aqui, trem das cores
Sábios projetos:Tocar na central
E o céu de um azul
Celeste celestial



A peça é uma "Floral Globe" da Tomoko acompanhada de um beijador e de uma tulipinha de bolinhas.
Não é pra ser beijada mesmo?
A minha versão ficou bem diferente , mas eu adoro essa coisa de experimentar novos caminhos.
E adoro Tomoko Fuse!
Mesmo que seja para dobrar 60 peças! Facinhas! (essa é das minhas).

Um kusudama de beijos

26 de junho de 2009

Japan Festival



No ano passado, participei do primeiro vendendo meus origamis, a convite de uma amiga "japinha", e junto...... outra amiga japinha.

Há uma crença rolando por aí, de que japonês é tudo igual, e a cada ano que passo tendo maior contato com a cultura, a arte, as histórias e tradições, os papéis, as amigas e amigos desse povo, percebo que japonês é tudo diferente.


Nessa feira há umas senhorinhas dançando, que só essa imagem já vale a pena! A dança então, outra delicada arte, parente do origami com toda certeza.


Foto tirada na Feira de 2008



Quem tiver interesse pela cultura, quem estiver de bobeira em Sampa, quem for da turma, quem gostar de fotografar, quem gostar de comida japonesa, origami, mangá, taikô, e umas outras coisas que ainda não sei o que ou quem sejam (mas que descubro nesta feira; tipo udon, bon odori e uosakoi soran , hehe), apareça!

Cada vez mais eu me encanto pela cultura desse povo.



Foto tirada na Feira de 2008

22 de junho de 2009

São João

Pro Pio

Ela estava tão bonita vestida de chita
Na noite de São João
Parecia um ramalhete
Vendendo bilhete no caramanchão
("Dona da salão" - Elpídio dos Santos)

12 de junho de 2009

Nas asas do vento


Tem que chegar manso
Mas não pode pedir licença
Tem que ter leveza
E usar nariz de palhaço
E vai me dar uma flor
E tocar uma canção
E me levar pra ouvir o vento
Numa volta de bike
Numa volta de barco
Numa volta de jegue
Numa volta de Land
Numa volta da rede

11 de junho de 2009

Sintonizando o dial



Não falo do amor romântico, aquelas paixões meladas de tristeza e sofrimento.
Relações de dependência e submissão, paixões tristes.
Algumas pessoas confundem isso com amor.
Chamam de amor esse querer escravo, e pensam que o amor é alguma coisa que pode ser definida,explicada, entendida, julgada.
Pensam que o amor já estava pronto, formatado, inteiro, antes de ser experimentado.
Mas é exatamente o oposto, para mim,que o amor manifesta.
A virtude do amor é sua capacidade potencial de ser construído, inventado e modificado.
O amor está em movimento eterno, em velocidade infinita.
O amor é um móbile.
Como fotografá-lo?
Como percebê-lo?
Como se deixar sê-lo?
E como impedir que a imagem sedentária e cansada do amor não nos domine?
Minha resposta?
O amor é o desconhecido.
Mesmo depois de uma vida inteira de amores, o amor será sempre o desconhecido, a força luminosa que ao mesmo tempo cega e nos dá uma nova visão.
A imagem que eu tenho do amor é a de um ser em mutação.
O amor quer ser interferido, quer ser violado, quer ser transformado a cada instante.
A vida do amor depende dessa interferência.
A morte do amor é quando, diante do seu labirinto, decidimos caminhar pela estrada reta.
Ele nos oferece seus oceanos de mares revoltos e profundos, e nós preferimos o leito de um rio, com início, meio e fim.
Não, não podemos subestimar o amor não podemos castrá-lo.
O amor não é orgânico.
Não é meu coração que sente o amor.
É a minha alma que o saboreia.
Não é no meu sangue que ele ferve.
O amor faz sua fogueira dionisíaca no meu espírito.
Sua força se mistura com a minha e nossas pequenas fagulhas ecoam pelo céu como se fossem novas estrelas recém-nascidas.
O amor brilha.
Como uma aurora colorida e misteriosa, como um crepúsculo inundado de beleza e despedida, o amor grita seu silêncio e nos dá sua música.
Nós dançamos sua felicidade em delírio porque somos o alimento preferido do amor, se estivermos também a devorá-lo.
O amor, eu não conheço.
E é exatamente por isso que o desejo e me jogo do seu abismo, me aventurando ao seu encontro.
A vida só existe quando o amor a navega.
Morrer de amor é a substância de que a Vida é feita.
Ou melhor, só se Vive no amor.
E a língua do amor é a língua que eu falo e escuto.

(Do amor - Paulinho Moska)

10 de junho de 2009

Concluindo

Concluindo esta série desenvolvida em função do Senac, concluo também que tenho que retornar a responder as mensagens que vocês tão carinhosamente me escrevem, por aqui mesmo.
Falk recebe as respostas por e-mail, Cesar não, Letícia recebe, Maria Maricota não. Coisas de internet!
Obrigadinha pela ajuda queridos.

Kusudama de beijos

8 de junho de 2009

Uma dúvida

Gentem, há uma pergunta que não quer se calar.
Tenho respondido aos comentários que vocês deixam aqui, via e-mail.
É que a cada comentário, recebo um aviso na minha caixa postal e por lá mesmo dou retorno.
Tem dado certo isso, ou ando passando por displicente?

um kusudama de beijos

Ainda rende...



Cada brasileiro produz quase 360 quilos de lixo por ano. Enquanto cada brasileiro produz em média 920 gramas de lixo sólido por dia, a quantidade de lixo reciclável que é recuperada, seja na coleta seletiva seja por catadores, chega apenas a 2,8 kg por ano, por habitante.
Leia mais em:

5 de junho de 2009

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails