20 de junho de 2013

Quando floriu a primeira flor, eu desejei muitas coisas.

Acho legal desejar coisas. Elas sempre me acontecem, mas para isto, eu treino a paciência, a persistência, a observação, a meditação, o auto-conhecimento (fico muito tempo comigo mesma, conversando, acreditem; mas é telepaticamente, relaxem), tenho sorte, tenho Síndrome de Pollyanna (sou sagitariana), acredito que é melhor ser alegre que ser triste,como dizia o poeta, e faço origami junto disso tudo, focando nas coisas para elas me acontecerem.

Quase 5 anos depois da primeira flor, o meu jardim tem mesmo os perfumes que desejei pra ele:
...que ela exale perfume de poesia (e tem)
de música (também tem)
de cor (composè?)
de delicadeza (ah, o papel)
de encantamento ( Kusudama!!!)
de surpresas
de descobertas e dúvidas
de encontros...
Tudo isso tem tido, maaaaaaaaaaaaaaaaas, um belo dia, eu percebi que eu não estava mais encontrando esta ou aquela flor ali no meio, porque já haviam brotado várias, e cheguei à conclusão de que precisava de mais espaço, e principalmente, mais organização (Viu, isso eu não tinha pedido?!! Mas pedi descoberta, então está tudo certo!).
Um belo dia, anterior àquele dali de cima, eu percebi também que a do ro mudanças.
E num outro belo dia ainda, eu conheci a Bruna, que depois, eu vim saber que é mega organizada. A Bruna é designer, está no último semestre da Facul, nos conhecemos num curso de Illustrator. Ela sentava do meu lado e um dia eu pirei com um cartaz que ela criou, que tinha um monte de lápis de cor.
Vixi, a história tá ficando comprinda né?! (dúvidas) Mas vou continuar a escrever pra não perder o pique. Se depois ficar muito comprida mesmo, faço dois capítulos.
Bom, voltando à Bruna, quando pensei em dar um trato no meu jardim, achei que a Bruna talvez pudesse me ajudar com seus lápis de cor. E liguei pra ela, ou mais provavelmente, mandei mensagem pelo Facebook, perguntando se ela criava logotipos, se trabalhava com identidade visual, pois eu pretendia também, além da organização, plantar num jardim de cara nova, com um visual diferente.
Ah, sabe aquelas vontades que a gente tem de mudar a cor da lente do óculos, de experimentar novos caminhos, de botar o pé na estrada, mudar de ares, experimentar, experimentar, experimentar coisas novas?? Então, tive uma dessas!
Aí, ainda deu certo que o namorado da Bruna é programador! (surpresas)
Gentem, tudo propício pra mudar de casa né não?!
Então resolvi me mudar para um estúdio. Eu sempre pensei em morar num estúdio mesmo, tipo um loft.
E também me preocupei em mudar para uma casa que atendesse melhor ao apelo profissional que o origami me trouxe. Hoje em dia, além da eterna, imensa paixão que tenho pela arte, o seu exercício constante acabou me deixando um tiquinho mais conhecedora e executora de suas técnicas, de suas manhas, o que faz com que eu seja mais procurada comercialmente.
Pensei também, e muito, nas pessoas amigas que passam por aqui e se inspiram, e depois ainda vêm me contar que se inspiraram com meu trabalho! Gentem, isto é uma delícia! Por vários motivos!
Eu amo origami, fato! Aí, eu dobro uma peça, e quando ela fica prontinha, me vem mesmo aquela sensação de encantamento!
Aí eu fotografo, fotografo, fotografo (adoro fotografia) e quero compartilhar com as pessoas o tal encantamento. Escolho a melhor pose e tchãran, corro pra mostrar pras pessoas.
Aí, as pessoas se encantam com a imagem, se encantam com a peça, e a beleza, a arte, fazem a sua função: levar um pouco de leveza para as pessoas, e em relação ao origami, levar delicadeza também, entre outras coisas.
Aíiiii, as pessoas se inspiram com minhas peças, e querem fazer origami também! Aí, começa aquela história da egrégora, ou se você preferir, da corrente do bem, como no filme.
O origami vai se espalhando, e mais e mais pessoas vão se beneficiando de tudo que ele incita e proporciona.
E aí, ele me proporciona encontros.
Com certeza no novo endereço tem, um canto pra gente sentar e conversar, e observar as coisas pintadas pela luz do sol, tem um café, um chá ou um chocolate pros dias de frio, e um suco, uma água, um refri, uma cerveja vai, pra quem é de cerveja, para os dias de calor, e papel, papel, papel para qualquer situação.
Ainda estou colocando algumas coisas no lugar, mas mudança é assim mesmo, leva um tempinho para as coisas se acomodarem. Mas eu não via a hora de convidar os amigos.
Então, bora lá pro estúdio?
                                             




11 de maio de 2013

Novos ares




E desde que brotou a primeira flor aqui neste jardim, já se passaram quase cinco anos! Tantas outras floresceram!
E como eu desejava, o aroma foi mesmo de descobertas, de encontros, de dúvidas, de novos amigos, de encantamento, de aprendizado, de crescimento, entre tantos perfumes que pairaram nestes ares.
Mas eu que gosto tanto de dobrar modulares, repetindo 30, 90 vezes uma mesma peça, também sou apaixonada por mudanças. Adoro o novo! 
E por conta desta minha necessidade de novas experiências, é que faço hoje, aqui, meu penúltimo post.
A todos os amigos, parceiros e clientes, que plantaram sua sementinha neste meu jardim, quero agradecer imensamente, e dizer que logo menos nos encontraremos por aí, para continuarmos a plantação.
No meu próximo e último post, quanto tudo estiver definido, contarei as novidades.

beijos beijos




3 de abril de 2013

Mandalas e estrelas



Sempre associadas à meditação, estas mandalas encomendadas por uma amiga para entregar de lembrancinha às pessoas na sua festa de 50 anos, realmente me fizeram meditar.
Pensei muito nesta questão da amizade enquanto discutíamos o projeto, e mais ainda enquanto o executava.  Nesta coisa sempre constante na minha vida, que são as amigas de longa data, que mesmo "ausentes" por alguns períodos, acabam aparecendo hora ou outra.
E aí é como se não tivessem existido esses hiatos de tempo, exceto pelo tanto de histórias que temos que colocar em dia. Mas que também não faz diferença porque, as minhas amigas, mesmo quando as encontro semanalmente, temos tanta história para colocar em dia!
Sobre isto, ainda estou meditando.




As lembrancinhas são ímãs de geladeira, ou de qualquer coisa que as atraia.
Os modelos: 
Serenata Estrelada, de Vagner Alves, com uma pequena variação minha
Serenata em Flor, de Vagner Alves, com variação de Carla Onishi
Mandala Carla, de Maria Sinayskaya





 Já esta daqui, não sei nome nem autoria, bem como das embalagens. Pelo menos até eu aprender coreano.





LinkWithin

Related Posts with Thumbnails